RECONHECIMENTO E JUSTIÇA

Hoje eu estive no terreiro que eu costumo freqüentar uma vez por semana para descarregar as energias negativas dos últimos dias e seguir em frente mais renovada. E hoje foi um daqueles dias em que se vai do inferno ao céu, e vice-versa. Eu não sabia, mas levei minha guia marrom. É, eu não fazia vaga idéia, para se ter uma idéia do pouco tempo vago que eu tenho na minha vida particular para prestar mais atenção ao espiritual, mas hoje era dia de festa para meu Pai Xangô. Pelo menos lá no terreiro era. Eu, filha devota do SENHOR DA JUSTIÇA, não poderia ter recebido maior lição no dia de hoje.

Eu não vou entrar em detalhes sobre do que se trata (como sempre, prefiro deixar isso guardado aqui comigo), mas imaginem uma situação na qual você se sente injustiçado, decepcionado. Eu estava todos esses meses esperando por algo importante pra mim. Hoje houve uma confirmação desse acontecimento, mas eu não fui lembrada por quem pensei que seria, e isso me trouxe uma ponta de frustração, um pouco de tristeza. Meu suor, minhas lágrimas, minhas noites sem dormir não foram reconhecidas por quem EU queria que fosse. Alguns minutos depois dessa maré de emoções negativas, uma série de outras pessoas se lembraram de mim. Pediram por mim. Intercederam por mim. Me deram reconhecimento. E se eu parar para pensar um pouco mais, foram exatamente as pessoas que eu afetei de alguma maneira, que eu toquei de verdade com esse trabalho, que deveriam mesmo reconhecer meu esforço e minha dedicação.

Meu Pai Xangô me mostrou a lição: o reconhecimento se é justo de verdade, chega. Não é de quem eu quero, mas de quem eu posso esperar. E posso dizer a verdade? Eu acho que me senti até melhor do que eu pensei que me sentiria se as pessoas que eu esperava que falassem comigo realmente tivessem falado.

Então fiquem sossegados porque aquilo que é nosso por direito, por MERECIMENTO, cruza o nosso caminho, mais cedo ou mais tarde. Deixo o meu OBRIGADA às entidades superiores, aos orixás e à minha mãe, a grande Deusa, que nunca me abandona e sempre me mostra uma direção diferente para tomar rumo aos meus objetivos de vida, tanto materiais quanto espirituais.

quinta-feira às 01:50 , 1 Comment | {+} Link do Post

FEELING THE MOMENT SLIP AWAY... NOT ANYMORE...

Começar esse post é quase mergulhar no meu verdadeiro eu interior. É dar um pulo, um salto no trampolim do caminho pra dentro da minha alma e do meu coração. Eu tenho 28 anos e hoje, nessa noite, pela segunda vez nos últimos anos, eu me senti de novo com 16. Eu voltei no meu passado, na minha adolescência, na época em que os meus sonhos estavam muito distantes de mim ainda. Mas numa época mágica, na qual eu finalmente descobri a amizade verdadeira.

Aquele famoso termo “amor incondicional”, que em muitas ocasiões eu utilizo aqui no meu blog e na minha vida de maneira geral, foi descoberto bem nessa época, quando eu conheci uma das melhores pessoas que eu já pude conhecer. A Rê.

Descobri nessa época que amizade é amor incondicional. Descobri com o passar dos anos e com a convivência com essa pessoa (e até mesmo com a distância que tive que tomar dela) que a verdadeira amizade é um sentimento imutável, cheio de magia. Isso porque ela não sabe, mas em muitos momentos da minha vida eu me lembrei dela. Nos melhores e nos piores momentos. Eu quis muito o ombro dessa minha amiga. Como eu quis! E em vários outros, eu a citei como pessoa-chave dessa minha época. Aprendi muito com ela. Sempre muito meiga, muito carinhosa. Nossa amizade foi como um amor impossível nos tempos de adolescência (ela que o diga – Montecchio e Capuleto que me perdoem, mas isso sim é amor impossível).

Nosso distanciamento não se deve por conta de brigas, desentendimentos, nada disso. Só não era possível uma amizade como a nossa acontecer naquela época. Algumas pessoas não entendiam, levavam para o lado errado, outras pessoas achavam que era energia demais desperdiçada por causa de uma menina, “só mais uma menina”, dentre tantas que eu conheci na minha vida. A mania do pejorativo. Medo de se perder, de que o outro se perca, de confundir as coisas.
Eu nunca confundi minha amizade com essa pessoa. Ela também não. Nós duas, muito cedo, precoce, sem querer e porque não dizer INOCENTEMENTE, acabamos descobrindo uma amizade que era quase como um laço de sangue entre nós. Sentir o que o outro sente, chorar quando o outro chora, sorrir quando o outro sorri. Sentimento, pressentimento, afinidade de alma.

Até no momento de nos distanciarmos nós, MENINAS, fomos MADURAS o suficiente para entendermos que dali pra frente, muita água rolaria debaixo da ponte e que esse carinho e amor incondicional que sentimos uma pela outra, COMO SERES HUMANOS, seria o suficiente para nos lembrarmos para sempre uma da outra. E que um dia assim, sem mais nem menos, voltaríamos a nos encontrar lá na frente, com vidas talvez até diferentes do que planejamos para nós, mas com a mesma FORÇA na amizade, no respeito mútuo e na cumplicidade.

HOJE, essa noite, eu redescobri o amor incondicional. Mais uma vez. Eu nunca me enganei. Essa amizade é sim muito verdadeira, é mútua e é pra sempre. Pareço até uma adolescente mesmo falando nisso, mas é o que eu sinto do fundo do meu coração e da minha alma. O mundo girou milhares de vezes em torno de si mesmo. E girou inúmeras vezes em torno do sol, do universo. Orbitou. Eu ganhei amigos novos, perdi amigos velhos, descartei falsos amigos. Mas a Rê... Essa continuou guardada lá no meu coração. E eu nunca vou saber explicar em palavras o motivo pelo qual eu amo tanto a Rê. Talvez um dia alguém me diga que numa outra encarnação nós tenhamos sido irmãs, mãe e filha, vai saber! Mas eu sei, EU SEI e só sei: o laço que nos une vai muito além do que as pessoas podem vir a compreender. E hoje eu vou dormir MUITO MUITO MUITO FELIZ, porque eu reencontrei um pedacinho de mim, que é ela. Eu me identifico com ela, com a felicidade dela, com a dor dela. Mexeu com ela, mexeu comigo. Ela é o tipo de amigo que qualquer pessoa quer ter para si.

Essa distância não foi nada. NADA. É como se jamais tivesse existido. E como se o tempo nunca tivesse passado! Isso, meus amigos, é amizade de verdade. Sintam-se abençoados por um plano superior se um dia tiverem ou se já tiverem alguém assim em suas vidas. Porque amigo não é só aquele que está todos os dias do seu lado. É aquele que também nunca esquece de você e que, mesmo com a distância, sabe que você está ali do lado dele.

Ser esse tipo de amigo e ter esse tipo de amigo é uma das formas mais puras da magia. Por isso que eu digo sempre que magia não é só ritual, invocação, círculo... é o sentimento e a plenitude que se tem em momentos da vida, nem que sejam breves. Sorte a minha, meu momento é eterno!


sábado às 02:56 , 1 Comment | {+} Link do Post

CINCO PRINCÍPIOS QUE DETONAM UM DEUS OU UMA RELIGIÃO

Encontrei esse texto na internet sem a menor pretenção de fazê-lo. Fiquei extremamente grata em descobrir quase que uma espécie de "sistema" que detecta religiões falsas ou profetas charlatões, que pode facilmente ser utilizado para demonstrar aos mais fanáticos seus erros ou acertos cometidos. Não gostaria, no entanto, que meus leitores julgassem religiões como falsas baseados nos preceitos abaixo, mas sim que tomem mais cuidado com aquilo que lhes é pedido por seus deuses. Segundo o autor do texto - eu o traduzi para o português, pois está originalmente inserido em inglês no site Elroy.net - você pode iniciar a identificação de falsas religiões ou pregadores a partir de cinco sintomas básicos, a saber:

1. A OBRIGAÇÃO DE PROSELITISMO
Qualquer Deus que seja impotente o suficiente para não conseguir entrar em contato direto com sua própria criação não seria digno de ser seguido. Os seres humanos são os piores veículos de transmissão de conhecimento. Duas pessoas que vêem o mesmo acontecimento já contam duas histórias diferentes. Imagine então quando a história lhes é contada através de uma terceira pessoa. Os fatos são facilmente mutáveis. As falsas religiões são facilmente expostas quando enviar seus emissários para arrebatar seguidores para sua divindade impotente, como se fosse um menino de recados.

2. A OBRIGAÇÃO DE PAGAR O DÍZIMO
Qualquer Deus que não pode dar ao luxo de sustentar-se ou dar verdadeiro apoio aos seus fiéis não é um Deus digno de ser seguido. Se Deus criou tudo, então Deus certamente não precisa de seus seguidores para pagar o seu caminho. Por que Deus nos faria pagar suas próprias contas? As falsas religiões podem ser habilmente descobertas quando começam a pedir-lhe dinheiro.

3. FUNDAÇÃO POR UM PROFETA HUMANO
Qualquer Deus que confia em seres humanos falíveis para falar sobre o seu nome não é digno de ser seguido. Usando um ser humano para divulgar seu ensinamento só leva seus fiéis a diferentes interpretações e entendimentos, razão pela qual não existem grandes religiões que não se fragmentam em contradição com congregações. As falsas religiões podem ser rapidamente abatidas quando você descobre que foram criadas por um profeta humano.

4. DECISÕES BASEADAS NO MEDO
Qualquer Deus que faz uso de ameaça de violência contra seres humanos caso não sigam a sua palavra não é digno de ser seguido. A ameaça de violência remove o princípio do livre arbítrio e cria uma incapacidade de saber se um fiel realmente ama a Deus ou apenas finge amor por medo da vida após a morte. As falsas religiões podem ser imediatamente identificadas quando ameaçam com a tortura eterna para aqueles que ignorarem sua mensagem.

5. RECOMPENSA BASEADA EM “INCENTIVO”
Qualquer Deus que suborna as pessoas para segui-lo não é digno de ser seguido. Que tipo de Deus precisa confiar nas motivações egoístas dos seres humanos para obtê-los como seus fiéis? Que tipo de Deus precisa usar recompensas para levar as pessoas a mostrarem sua adoração? As falsas religiões podem ser descartadas quando tentam seduzi-lo a seguir suas crenças com promessas de recompensas e prêmios.

sexta-feira às 15:38 , 0 Comments | {+} Link do Post

MAGIA NAS TELAS DO CINEMA E DA TV

Eu converso quase todos os dias com alguma pessoa que está procurando filmes de magia, livros de magia, coisas de magia em que possam buscar inspiração, um pouco de aprendizado e um pouco de entretenimento. Hoje estou aproveitando meu tempo um pouco maior no computador para passar uma lista completa de filmes que eu mais gosto do gênero. Aos que querem apenas diversão, tem uns muito legais. Outros ensinam alguns princípios básicos de magia, mesmo que nas entrelinhas. A maioria é excelente! Confiram minha lista:

O HOMEM DE PALHA (THE WICKER MAN) – 1973
Sinopse: Uma jovem garota desaparece misteriosamente. Investigando, o Sargento Howie (Edward Woodward), viaja para uma remota ilha escocesa onde conhece o estranho Lord Summerisle (Christopher Lee) um líder religioso da pequena comunidade que realiza bizarros rituais pagãos. Fonte: Bruxaria.net







O FEITIÇO DE ÁQUILA (LADYHAWKE) – 1985
Sinopse: O Bispo de Áquila (John Wood) toma consciência que sua amada, a bela Isabeau (Michelle Pfeiffer), está apaixonada por Etienne Navarre (Rutger Hauer), um cavaleiro. Áquila fica possuído de raiva e ciúme e lança uma maldição sobre o casal: de dia ela sempre será um falcão e de noite Navarre toma a forma de um lobo, sendo que desta forma fica o casal impedido de se entregar um ao outro. Eles têm como único aliado Phillipe Gaston (Matthew Broderick), mais conhecido como Rato, que é o único prisioneiro que escapou das muralhas de Áquila. Fonte: Adoro Cinema




AS BRUXAS DE EASTWICK (THE WITCHES OF EASTWICK) – 1987
Sinopse: Alexandra Medford (Cher), Jane Spofford (Susan Sarandon) e Sukie Ridgemont (Michelle Pfeiffer) são três mulheres que vivem entediadas, na cidade de Nova Inglaterra. Essa rotina é abalada com a chegada de Daryl Van Horne (Jack Nicholson), o homem ideal que elas tanto esperaram. O ricaço começa a satisfazer seus desejos como mulher, iniciando também uma delicada guerra de sexo entre todos os envolvidos. Fonte: Cine Players



ELVIRA, A RAINHA DAS TREVAS (ELVIRA, MISTRESS OF THE DARK) – 1988
Sinopse: Elvira (Cassandra Peterson) é a anfitriã de um programa de baixo orçamento sobre filmes de terror, mas tudo pode mudar quando ela herda da tia Morgana (Cassandra Peterson) uma velha mansão em Fallwell, Massachusetts, uma pequena cidade com apenas 1313 habitantes. Ela sonha em vender a casa e ir para Las Vegas, mas encontra dois sérios problemas: o primeiro são os adultos da cidade, que ficam espantados com o modo de como ela se veste e se comporta. Liderados por Chastity Pariah (Edie McClurg), eles fazem forte oposição à presença de Elvira na localidade. O segundo problema é Vincent Talbot (William Morgan Sheppard), um tio de Elvira que não herdou nada, mas deseja obter de qualquer maneira um "livro de receitas" que também foi herdado por Elvira, que dará a ele imensos poderes para fazer diversos tipos de bruxarias. Fonte: Minha Infância


JOVENS BRUXAS (THE CRAFT) – 1996
Sinopse: Três garotas (Balk, Campbell, True), estudantes de um colégio em Los Angeles, são consideradas esquisitas e rejeitadas pelos colegas. Formam um grupo secreto e se fecham em um pacto de magia negra. Com a chegada de Sarah (Tunney), interam os quatro pontos para o início da magia. Ao perceberem que os feitiços funcionam, começam a vingar-se daqueles que as magoaram. Mas a curiosidade torna-se algo incontrolável... Fonte: Cine Pop





DA MAGIA À SEDUÇÃO (PRACTICAL MAGIC) – 1997
Sinopse: Sally Owens (Bullock) e sua irmã Gilliam (Kidman) são as últimas descendentes da célebre bruxa Mary Owens de Salem, com poderes naturais herdados das tias Jet e Frances (Diane Wiest e Stockard Channing). A família carrega uma maldição - todos os homens que se envolvem com as sensuais feiticeiras acabam mortos. Enquanto o casamento feliz de Sally termina no cemitério, a fogosa Gilliam utiliza seus poderes para conquistar todos os homens que encontra, sem se envolver emocionalmente com nenhum. Seu último namorado, Jimmy (Goran Visnjick), costuma tratá-la aos sopapos e não escapa da sina da família Owens. Apesar da maldição, Sally se apaixona pelo policial encarregado de investigar o desaparecimento, interpretado por Aidan Quinn. Eles ainda terão de enfrentar a fúria do espírito assassino de Jimmy. Fonte: Webcine


CHOCOLATE (CHOCOLAT) – 2000
Sinopse: Vianne Rocher (Juliette Binoche), uma jovem mãe solteira, e sua filha de seis anos (Victorie Thivisol) resolvem se mudar para uma cidade rural da França. Lá decidem abrir uma loja de chocolates que funciona todos os dias da semana, bem em frente à igreja local, o que atrai a certeza da população de que o negócio não vá durar muito tempo. Porém, aos poucos Vianne consegue persuadir os moradores da cidade em que agora vive a desfrutar seus deliciosos produtos, transformando o ceticismo inicial em uma calorosa recepção. Fonte: Bruxaria.net


JOANA D’ARC – 2001
Sinopse: Em 1412, nasce em Domrémy, França, uma menina chamada Joana (Milla Jovovich). Ainda jovem, ela desenvolve uma religiosidade tão intensa que a fazia se confessar algumas vezes por dia. Eram tempos árduos, pois a Guerra dos Cem Anos com a Inglaterra se prolongava desde 1337. Em 1420, Henrique V e Carlos VI assinam o Tratado de Troyes, declarando que após a morte de seu rei a França pertencerá a Inglaterra. Porém, ambos os reis morrem e Henrique VI é o novo rei dos dois países, mas tem poucos meses de idade e Carlos (John Malkovich), o delfim da França, não deseja entregar seu reino para uma criança. Assim, os ingleses invadem o país e ocupam Compiègne, Reims e Paris, com o rio Loire detendo o avanço dos invasores. Carlos foge para Chinon, mas ele deseja realmente ir para Reims, onde por tradição os soberanos franceses são coroados, mas como os ingleses dominam a região, isto se torna um problema. Até que surge Joana que, além de se intitular a "Donzela de Lorraine" tinha uma determinação inabalável e dizia que estava em uma missão divina, para libertar a França dos ingleses. Desesperado por uma solução, o delfim resolve lhe dar um exército, com o qual ela recupera Reims, onde o delfim é coroado Carlos VII. Mas se para ele os problemas tinham acabado, para Joana seria o início do seu fim. Fonte: Adoro Cinema


STARDUST, O MISTÉRIO DA ESTRELA (STARDUST) – 2007
Sinopse: O jovem Tristan (Charlie Cox) tenta conquistar o amor da bela e fria Victoria (Sienna Miller) indo em busca de uma estrela cadente. A jornada o leva a uma terra esquecida e misteriosa, além dos muros da cidade. Porém Tristan não é o único atrás da estrela cadente. Os quatro filhos do rei de Stormhold (Peter O'Toole) e os espíritos de seus três filhos já falecidos também estão atrás dela, assim como a feiticeira Lamia (Michelle Pfeiffer), que deseja usá-la para recuperar a juventude. Para enfrentar todos estes concorrentes Tristan precisará ganhar o amor da estrela, que se transformou em uma garota chamada Yvaine (Claire Danes). Fonte: Adoro Cinema


CAÇA ÀS BRUXAS (SEASON OF WITCH) – 2010
Sinopse: Behmen (Nicolas Cage) é um cavaleiro que, depois de vários anos lutando nas Cruzadas, perdeu algumas batalhas, muitos amigos e até a fé. De volta à sua terra natal, ele encontra uma Europa devastada pela fome e a peste negra. Neste cenário de destruição ele se une a um grupo de guerreiros encarregados de levar uma garota, suspeita de ser bruxa, para um monastério distante. Não leva muito tempo até que o grupo perceber que a jovem possui forças sobrenaturais, e que eles estão prestes a enfrentar um mal além da nossa compreensão. Fonte: Cinema 10

quarta-feira às 15:58 , 0 Comments | {+} Link do Post

NOME PRÓPRIO

"Minha dor é interna, não curte a pele, não estraga o corpo. Mas meus olhos me delatam. A dor estava toda ali dentro, os olhos sérios negros e fundos. Dor de quem já viu tudo e não espera mais nada. De quem ficou sozinha a vida inteira, encarcerada em si mesma. De quem já viu o nada, o vazio absoluto, a ausência de cor e dor e calor e música e sentimento, já foi engolido e cuspido pelo nada incontáveis vezes, e será de novo, e de novo, e mais uma vez, até a última, quando só sobrar um caroço morto, um esqueleto sem vida. Depois de ver o nada, nada mais espera. Não é como se voce ficasse insensível ou entorpecido, nada disso. Aumenta o apetite por sentimentos, aumenta a intensidade, porque você sabe que ele pode chegar a qualquer momento, como uma nuvem, uma peste silenciosa, e acabar com tudo. A dor salva do nada. Só ela salva."



Assistam o filme "NOME PRÓPRIO". Vale a pena.

às 14:54 , 0 Comments | {+} Link do Post