PALAVRA

Isso de versar, às vezes cansa. Cansa a palavra na borda do lábio. Cansam as paroxitonas. Cansa o tesão por versos inúteis. Aí, me calo. Prometo não repetir a dose, encosto no boteco de mim e o copo se enche. E os versos voltam, grandes ou pequenos, mas embriagadamente confessos como vício.

Raquel Lemos.

segunda-feira às 02:51 , 1 Comment | {+} Link do Post